Autor

Arquivo do blogue

Pesca de familia IV

Ontem para aproveitar o último dia de férias, decidi acompanhar o meu tio e o Júlio numa pescaria.

Cedo partimos na esperança de que fosse mais um dia daqueles em que o peixe fosse constantemente picando e desse modo pudéssemos efectuar umas boas capturas.
Depois de observamos as condições do mar, que se apresentava com água um pouco verdosa e mexida, as previsões eram relativamente boas e como tal começámos logo a migar as sardinhas para engodo.

Quando começámos a pescar e ao longo da dia, notou-se perfeitamente que o peixe era pouco ou nenhum, lá iam saindo uns peixitos mas nada de especial, só o Júlio tirou um bom robalo na casa dos 2 quilos e outro mais pequeno, mas como fomos só prá pesca com ou sem peixe, o tempo ali passado foi sempre bom.

Entretanto, ao nosso lado encontravam-se mais pescadores, um deles bem conhecido de nós que é um pescador com P grande, o Zé. Para ele a pesca já não tem segredos e na altura estava a tentar capturar robalos e que ao fim de um bocado revelou-se frutífera quando o ouço gritar a pedir um cesto, pelo que corri logo disponibilizando o meu e toca de o auxiliar na recolha do peixe, era um robalo com um quilo e meio. Um bocado mais tarde outra vez, ele a gritar pelo cesto e como ele já me tinha dito para eu não enrolá-lo da ultima vez, já lá o tinha ao pé dele e desta vez foi o meu tio a auxiliá-lo, era um robalo para uns 3 quilos. Este homem estava mesmo em grande, mas quem sabe sabe e o resto é conversa, Uma meia hora depois, novamente ele a gritar pelo cesto e lá fui eu a correr ajudá-lo e quando olhei para dentro de água, reparei que era um daqueles troncos e toca de meter cesto, quando chegou cá acima, notava-se perfeitamente que era bicho para mais de 5 quilos á vontade e para ele a pesca ficou feita!!!

Deu-me mesmo muito gozo ver e ajudar ele a apanhar aqueles peixes, porque não é todos os dias que se vê peixe a morrer assim!!
Já no final da tarde, decidi experimentar a minha sorte aos robalos e logo no primeiro lançamento que fiz, um senhor tronco foi direito ao isco, mas á ultima da hora virou de direcção. Fiz nova tentativa com um lançamento lá para bem longe e esperei e ao fim de um bocado senti dois toques e quando dei a ferrada não senti nada, esquisito e depois senti novo toque e puxei até sentir um grande peso a trabalhar e desta vez fui eu a pedir o cesto, pois era um bom robalo que tinha 2 quilos e quando chegou cá acima fiquei satisfeito, pois vi logo que tinha ganho o dia!!


Aqui fica a foto de 2 dos 5 robalos que o meu cesto ajudou a tirar.


Um abraço e até á próxima

6 comentários

Pedro batalha 13/06/09, 14:11

Olá Américo e familia
Belas capturas e momentos que devem ter presenteado.
É bonito de se ver diferentes gerações familiares em sintonia com os mesmos hobbies.

Continuação desses momentos.

Abraço

Sargollini 13/06/09, 15:16

Olá Américo, isso é que foi um dia em grande :)
Só faltou seres tu a tirar um Tronco.
Parabéns a todos

Um abraço prós Algarves
Sérgio

Américo Neves 13/06/09, 20:51

Boas Pedro

É verdade, sempre que posso vou á pesca com estes "cotas", além de serem familia, também são amantes deste hobbie, pois somos filhos de uma pequena aldeia piscatória!
Quanto ás capturas, fiquei contente com o robalo que apanhei, mas só de ver os outros troncos fiquei "doente".

Um abraços dos Algarves pró Ribatejo.

Américo Neves 13/06/09, 20:54

Boas Sérgio

Podes crer, apesar de os sargos não colaborarem, compensou com os robalos que ajudei a tirar e sobretudo com aquele que apanhei.
Quem sabe á próxima que lá fôr, tiro eu um tronco!!

Um abraços dos Algarves para Sintra

PêJotaFixe 14/06/09, 01:04

Amigo Américo,
Eles andam ai! Nas últimas pescarias também me calhou um a mim e outro ao António, se bem que mais pequenos. No entanto, vi no outro dia correrem o aparelho alvorado e era cada um... 6/7/8Kg!!!

Abraço e saudações piscatórias

N.R. Vieram com o Pilado

Américo Neves 14/06/09, 14:41

Boas Pêjotafixe

Eles andem ai e não são poucos nem pequenos, tenho-os visto em cardumes.
Quando o amanhei, tinha o bucho cheio disso mesmo, pois por toda a costa se vê disso.

Um abraço